Após 15 meses de luta por direitos, os atingidos pela Samarco organizados no Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) do Espírito Santo conquistaram o reconhecimento de mais de dez comunidades da Foz do Rio Doce. No litoral do ES, os povoados, na maioria pesqueira, foram atingidos dias depois do rompimento da barragem de Fundão, que pertence a Samarco, Vale e BHP Billiton.

A vitória veio depois de manifestação realizada na quinta-feira (30) com cerca de 600 atingidos organizados no MAB durante na reunião do Comitê Interfederativo (CIF) da Fundação Renova realizada no Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), em Belo Horizonte

A presidenta do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), Sueli Mara Vaz Guimarães de Araújo, presidente do CIF, recebeu uma comissão dos atingidos capixabas que apresentaram a pauta da Bacia do Rio Doce ressaltando como prioridade o reconhecimento das comunidades da Foz Norte e Sul.

Já na tarde do dia 31 de março, os atingidos receberam a notícia de que as comunidades haviam sido reconhecidas e que a Fundação Renova tem 30 dias para iniciar os programas nas localidades, inclusive cadastro, auxílio emergencial e indenizações nos povoados.  

“Com essa conquista dos atingidos organizados reafirmamos que só a luta garante os direitos. Quase um ano e meio levando a pauta pra a Samarco e a Fundação Renova e depois que viemos a BH, mostrando a força do povo unido é que fomos reconhecidos”, disse Joice, pescadora e atingida da Foz do Rio Doce.